Após depressão tropical: INGC necessita pelo menos 500 milhões de meticais

Após depressão tropical: INGC necessita pelo menos 500 milhões de meticais

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) necessita pelo menos 500 milhões de meticais para apoiar na reposição imediata das infra-estruturas básicas, como escolas e hospitais, destruídas na sequência da depressão tropical que afectou a zona norte do país.

A informação foi dada recentemente pelo Director Geral Adjunto do INGC Casimiro de Abreu, numa reunião havida com o sector privado, para dar a conhecer o ponto de situação do nível de resposta na zona norte do país, após a ocorrência daquela calamidade natural.

“Em termos de necessidades financeiras para a reposição imediata das infra-estruturas básicas, como hospitais e escolas, estimamos 567 milhões, 740 mil, 291 meticais”, contou Abreu.

A fonte contou ainda, que o balanço preliminar do INGC dos danos causados pela depressão tropical, nas províncias de Nampula, Cabo Delgado e Niassa, indica a existência de 80 mil e 331 pessoas afectadas, 14 óbitos, 8 mil e 903 casas parcialmente destruídas e 5 mil e 990 casas totalmente destruídas, 456 salas de aulas destruídas parcialmente e 243 casas destruídas totalmente, oito unidades sanitárias, 135 postes e 20 vias de acesso intransitáveis ou com o trânsito condicionado.

Salientar que, o orçamento global previsto para a operacionalização do cenário II do Plano de Contingência é de cerca um bilião de meticais, dos quais o Governo inscreveu no Orçamento do Estado um total de 160 milhões de Meticais, estando neste momento a trabalhar no sentido de alocar fundos adicionais para a resposta as emergências no país.

Segundo o INGC as intervenções efectuadas até agora são de emergência e para garantir o normal funcionamento das instituições sociais, porém, o desafio está na reconstrução definitiva de todas infra-estruturas destruídas pela depressão tropical e para a reposição definitiva do tecido humano afectado.

Na agricultura, a luta consiste no replantio das árvores derrubadas.

Deixe uma resposta