BENFICA, UM CLUBE ‘AMALDIÇOADO NA EUROPA HÁ 50 ANOS POR BÉLA GUTTMAN

BENFICA, UM CLUBE ‘AMALDIÇOADO NA EUROPA HÁ 50 ANOS POR BÉLA GUTTMAN

“O Benfica nunca mais será campeão europeu!”, podia ler-se na edição do jornal A Bola de 7 de Março de 1968. A frase em jeito de profecia atribuída a Béla Guttman faz esta quarta-feira 50 anos, e a verdade é que, desde então, o clube da Luz nunca mais conquistou títulos na Europa apesar de já ter marcado presença em várias finais.

A 7 de março de 1968, o jornal A Bola dava destaque a uma entrevista de Béla Guttman à revista austríaca ‘Sport-Ilustrierte’ em que o técnico húngaro, na altura a treinar o Panathinaikos, proferiu a polémica frase que se tornou numa ‘espécie’ de maldição no imaginário dos adeptos do Benfica.

Béla Guttman treinou o Benfica entre 1959 e 1962 e conquistou vários títulos pelos ‘encarnados’, nomeadamente duas Taças dos Clubes Campeões Europeus entre 1961 e 1962. O técnico magiar acabou por sair do Benfica em conflito com a direção encarnada e rumou ao Uruguai para treinar o Peñarol. Depois de uma breve passagem pela seleção da Áustria, Béla Guttman regressa ao Benfica em 1965 para substituir o romeno Elek Schwartz, mas no seu regresso a Lisboa o treinador húngaro desilude as expectativas e não consegue conquistar o ainda inédito ‘tetracampeonato’ (perdendo para o Sporting), para além de ser eliminado nos quartos de final da Taça dos Campeões Europeus pelo Manchester United com uma goleada por 1-5 na Luz.

Em 1968, o Benfica estava de novo na ribalta do futebol europeu e é nesse contexto que Béla Guttman fala da sua passagem pelo clube da Luz à revista austríaca ‘Sport-Ilustrierte’. Nesse ano, o clube português alcança a final da Taça dos Campeões Europeus depois de eliminar clubes como o Saint-Étienne, os húngaros do Vasas SC, e os italianos da Juventus.

Na referida entrevista, Béla Guttman destacou o impacto do seu trabalho no crescimento do Benfica na Europa e considerou que foi mal tratado no clube da Luz, daí a frase: “O Benfica nunca mais será campeão europeu!”.

“Quando fui para o Benfica, a equipa recebia 2500 dólares por cada jogo particular. Quando saí, deixei-a com um cachet de 250 mil dólares. Eu tornei o Benfica num clube milionário. Mas que ganhei eu com isso? A recompensa que recebi foi miserável. Como ninguém, nem eu, pensava ganhar o Campeonato Europeu, não exigi um prémio correspondente. Recebi, pela primeira Taça da Europa, menos de 2000 dólares que o prémio do Campeonato Nacional português”, afirmou Béla Guttman à referida revista austríaca.

“[Pela segunda Taça dos Clubes Campeões Europeus] recebi 14 mil dólares. Assim já foi melhor. Mas antes, já de há muito, tinha decidido sair. O Benfica tinha tido um comportamento ordinário. Quando fui de Nuremberga, ao serviço dos interesses do Benfica, a minha mulher, excepcionalmente, acompanhou-me. E os dirigentes do Benfica, clube que beneficiou de milhões com o meu trabalho, apressaram-se a apresentar-me, em Lisboa, metade da conta do hotel. Claro que eu a pagaria normalmente, mas o que me chocou foi a atitude grosseira deles em terem tanta pressa em apresentar-me uma conta de meia dúzia de dólares”, acrescentou o técnico magiar.

A verdade é que nesse ano, o Benfica perde em Wembley a final da Taça dos Campeões Europeus com o Manchester United por 4-1. Bobby Charlton abriu o marcador no arranque da segunda parte, mas a 10 minutos do apito final Jaime Graça faz o empate a 1-1. No prolongamento, o Benfica poderia ter passado para a frente do marcador por Eusébio, mas acaba por sofrer três golos de ‘rajada’ e termina goleado por 4-1.

As palavras do técnico húngaro dois meses antes entram definitivamente no imaginário dos adeptos do Benfica, e nos anos seguintes acabam por ganhar uma força profética de ‘maldição’ nas finais da Taça UEFA de 1983 e nas finais da Taça dos Campeões Europeus de 1988 e 1990. Mais recentemente, o Benfica acabaria por perder mais duas finais europeias, na Liga Europa de 2013 e 2014, e até hoje a frase atribuída a Béla Guttman continua a ecoar no imaginário dos adeptos de futebol.

Apesar de todas as histórias em torno da tão aclamada ‘Maldição de Béla Guttman’, o Benfica decidiu homenagear o antigo treinador húngaro com uma estátua numa das entradas do Estádio da Luz onde se pode ver o ex-técnico magiar com as duas Taças dos Campeões Europeus.

Fonte: Sapo

Deixe uma resposta