Chefe de operações de paz diz que 2018 será ano de implementação de reformas

Chefe de operações de paz diz que 2018 será ano de implementação de reformas

Em entrevista à ONU News, Jean-Pierre Lacroix diz que mudanças serão importante e que o novo ano é um momento de esperança; já chefe de Departamento de Apoio no Terreno, Atul Khare, acredita que reforma aumentará prevenção e eficiências nas operações.

O ano de 2018 deve ser recebido com um sentido de esperança. A declaração foi dada pelo subsecretário-geral das Operações de Paz, Jean-Pierre Lacroix, numa entrevista à ONU News.

Segundo ele, 2017 foi marcado por reformas ambiciosas nas missões de paz, e este novo ano é o momento de implementá-las, especialmente em áreas nas quais os boinas-azuis precisam estar informados e ter autonomia para agir.

Jean Pierre-Lacroix. Foto: ONU/Manuel Elias

Circunstâncias

Já o chefe do Departamento de Apoio no Terreno, Atul Khare, disse que as reformas vão tornar as operações mais eficientes e mais rápidas em mediações. Além de fortalecer a prevenção, entre outros pontos.

Durante 2017, a ONU enfrentou desafios em suas missões de paz incluindo a morte de mais de 60 boinas-azuis em ataques. Ao mesmo tempo, as 15 operações ajudaram a salvar vidas ao redor do mundo.

Lacroix lembrou que as forças de paz protegem os civis todos os dias salvando vidas, e que o trabalho é feito em circunstâncias difíceis e de estresse.

Assista a um trecho da entrevista concedida à ONU News Português sobre o tema, em julho passado, a respeito do futuro das operações.

 

Atuação

O chefe das Operações de Paz citou os casos de missões na República Democrática do Congo, na República Centro-Africana, no Mali e no Sudão do Sul, além de outros países, onde a atuação dos boinas-azuis evitou mortes de civis. Segundo ele, as forças de paz merecem reconhecimento e tributo pelo trabalho que fazem.

Khare e Lacroix concordam sobre o tema de equipamentos modernos e mais serviço de inteligência e tecnologia nas missões para enfrentar os desafios atuais.

Um outro tema que tem chamado a atenção da ONU é a prevenção a casos de abusos e exploração sexuais. A organização tem uma política de tolerância zero.

Assista à entrevista de Jean-Pierre Lacroix sobre a visita ao Brasil, o fim da Minustah e a participação de mais mulheres nas missões.

 

Meio ambiente

No início do ano, o secretário-geral, António Guterres, divulgou sua estratégia para erradicação do problema e nomeou uma Defensora para os Direitos das Vítimas, Jane Connors.

As operações de paz também são dedicadas ao desenvolvimento sustentável e ao meio ambiente.  Todas as missões lançaram, no ano passado, Planos de Ação Ambiental. Ao todo, foram implementados 80 planos de tratamento apropriado de dejetos, nas operações de paz.

Para o chefe do Departamento de Apoio no Terreno, a receita é simples: é preciso deixar o local um lugar melhor do aquele encontrado pelos boinas-azuis no início dos trabalhos.

 

 

Cortesia da : Radio ONU (Portugues) – [Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.]

Deixe uma resposta