FAO financia projecto para conter corte ilegal de árvores em Moçambique

FAO financia projecto para conter corte ilegal de árvores em Moçambique

Agência deve conceder cerca de € 500 mil ao governo, organizações da sociedade civil e sector privado; montante deverá ser empregado em acções para reduzir prática e reforçar comércio de produtos florestais.

O corte ilegal de árvores é um desafio para a manutenção de mercados eficientes e de práticas sustentáveis de extracção madeireira. Para minimizar a situação, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, vai colocar cerca de € 500 mil ao dispor de Moçambique para apoiar o sector florestal.

Em conversa com a ONU News em Maputo, o representante da FAO no país, Olman Serrano, destacou o apoio da agência.

Exportação

“O papel da FAO, neste caso particular, é de apoiar o setor florestal para melhorar a governação, quer dizer, a sustentabilidade das florestas através da aplicação das leis e da governação no setor florestal”.

O foco do plano de acção é ajudar a cumprir normas estabelecidas pela União Europeia para a exportação de madeira e de outros países que exigem legalidade.

Olman Serrano afirma que há várias expectivas de retorno face ao apoio cedido pela FAO.

Prioridades

“Reduzir a desflorestração é também reduzir a degradação das florestas. O corte ilícito da madeira contribui, principalmente, para a degradação florestal mas também a perda das receitas por parte do governo. Neste momento os pontos focais são as indústrias florestais. Pretendemos apoiar para melhorar a governação no setor, obviamente tem haver com as concessões florestais”.

Em Moçambique, a FAO estabelece as áreas prioritárias de intervenção sob orientação do roteiro aprovado pelo Comité Técnico Nacional que integra a Direcção Nacional de Florestas e delegações da União Europeia.

O programa da FAO contribui directamente para alcançar o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável de número 15. A meta defende a protecção, a recuperação e a promoção  do uso sustentável dos ecossistemas terrestres, além da gestão sustentável das florestas, do combate à desertificação, da detenção e da  reversão da degradação da terra e perda da biodiversidade.

Apresentação: Eleutério Guevane

Cortesia da: Rádio ONU [Reportagem: Ouri Pota da ONU News, de Maputo]

 

Deixe uma resposta