Mundo vai precisar de mais de 18 milhões de profissionais de saúde na próxima década, alerta OMS

Fonte: ONU News Português | Foto: Unicef /Ahmed Abdulhaleem

Em mensagem de vídeo para o Ano Novo, Tedro Ghebreyesus afirma que é preciso fazer mais para cuidar dos agentes de saúde; segundo ele, demanda se dará em países de rendas baixa e média; 70% da força global do setor são mulheres; OMS declarou 2020 o Ano Internacional de Enfermeiros e Parteiras.

A Organização Mundial da Saúde alertou que precisará de mais de 18 milhões de profissionais já na próxima década. Para isso, a agência pede o apoio da comunidade internacional para formar os trabalhadores do setor que deverão atuar, na maior parte, em países de rendas baixa e média. A declaração é do diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus.

Em mensagem de vídeo para marcar o Ano Novo, Tedros afirma que o mundo tem uma dívida de gratidão com os agentes de saúde que cuidam de seus pacientes durante 24 horas ao redor do globo incluindo feriados e fins de semana, quando a maioria das pessoas está descansando.

Diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. Foto: ONU/Daniel Johnson

Treinamento

Para Tedros, o mundo tem que fazer mais para apoiar os profissionais do setor que precisam de melhor treinamento, melhores salários e mais proteção.

A agência da ONU afirma que 70% da força de trabalho global na área de saúde são mulheres.

Segundo o diretor-geral da OMS, investir no setor gera um dividendo triplo como saúde, crescimento econômico e igualdade de gênero.

Postos de Trabalho

A OMS declarou 2020 como o primeiro Ano Internacional de Enfermeiros e Parteiras. 

Tedros Ghebreyesus disse ainda que com o Ano Internacional, a OMS está pedindo aos governos que invistam em mais postos de trabalho e treinamento profissional para enfermeiros e parteiras.

Ele lembrou que esses profissionais prestam serviços e estão presentes desde os primeiros instantes de vida até o momento da morte.

PMA/Jacques David Uma profissional de saúde no combate ao ebola alimenta um bebê em um centro de tratamento em Kivu do Norte, República Democrática do Congo.

Related Post

Be the first to comment

Leave a Reply